(54) 3324-3666
Blog agross
10 de julho de 2023

Recuperação de pastagens degradadas: qual a importância e como fazer?

Conhecer as técnicas adequadas de recuperação de pastagens degradadas é essencial para todo pecuarista. Afinal, um manejo inadequado pode prejudicar o desempenho animal e a rentabilidade de toda a produção.

O pasto representa a base alimentar para a pecuária de corte e leiteira no Brasil. Entretanto, cerca da metade dos 173 milhões de hectares de pastagem no país têm algum estágio de degradação, segundo dados divulgados pela Educa Point. 

Portanto, se você deseja fornecer alimento de qualidade para o seu gado e maximizar os rendimentos da sua propriedade, precisa ficar atento a essa questão.

Cientes disso, criamos este artigo para reforçar a importância da recuperação de pastagens degradadas, suas diferentes técnicas e melhores práticas. Agora, acompanhe e fique por dentro dos detalhes mais importantes que você precisa saber sobre o assunto!

Por que a recuperação de pastagens degradadas é importante?

A correta manutenção das pastagens está diretamente ligada ao padrão de qualidade alimentar do gado. Entretanto, como citamos logo acima, a degradação do pasto é uma realidade em boa parte das áreas de produção brasileiras.

Um pasto degradado é aquele que perdeu seu vigor, capacidade de rebrota e produtividade. Ou seja, ele possui um potencial de fornecimento de forragem reduzido. Como consequência, gera uma queda na capacidade de lotação de animais por área.

Assim, diversos fatores podem originar ou contribuir na degradação da pastagem, por exemplo:

  • Excesso de lotação de animais;
  • Uso de técnicas inadequadas de preparo do solo e semeadura;
  • Não correção do pH e dos nutrientes do solo;
  • Ausência de manejo para a formação e manutenção do pasto;
  • Não implementação de práticas de conservação do solo;
  • Utilização de sementes de baixa qualidade;
  • Pastejo prematuro;
  • Uso de forrageiras não adaptadas;
  • Entre outros.

E, se você notar que as taxas de lotação do pasto estão reduzidas, já é sinal de que ele possui algum nível de degradação. Nesse sentido, quanto antes você agir para recuperá-lo, menores serão os custos e melhores serão os resultados.

Recuperar, renovar ou reformar a pastagem?

como recuperar pastagem degradada - agross do brasil

Além da recuperação de pastagens degradadas, também pode ser necessário que elas sejam renovadas ou simplesmente reformadas.

Recuperar o pasto visa manter a espécie forrageira já utilizada. Isso acontece por meio de técnicas para restabelecer a cobertura do solo e melhorar a saúde das plantas presentes na pastagem.

Por sua vez, a renovação é voltada às propriedades onde não é possível recuperar a vegetação existente. Ou seja, a área degradada é reutilizada para a formação de uma nova espécie forrageira. 

Nos dois casos, a reforma ocorre depois que a pastagem é estabelecida. Como o próprio nome sugere, o objetivo é corrigir ou reparar o pasto. Isso é feito com base em avaliações sobre a cobertura e o nível de erosão do solo, participação da forrageira, quantidade de forragem, etc.

Para saber quais são as técnicas mais adequadas para melhorar a qualidade da pastagem, é importante saber identificar seus estágios de degradação.

Uma boa alternativa é utilizar a escala estabelecida pela EMBRAPA. Com base em indicadores físicos, químicos e biológicos do solo, ela define 4 graus diferentes de degradação. São eles:

  • Grau 0: solos em boas condições, que não têm degradação;
  • Grau 1: solos com ligeiros sinais de degradação, mas ainda em condições aceitáveis de uso; 
  • Grau 2: solos moderadamente degradados, com sinais de compactação, erosão e perda de matéria orgânica;
  • Grau 3: solos muito degradados, com baixa fertilidade, alta compactação, erosão e perda de biodiversidade; 
  • Grau 4: solos severamente degradados, com pouca ou nenhuma capacidade de suportar a produção agrícola, alto risco de erosão e contaminação.

Com base nessas características, solos nos graus 1 e 2 podem receber técnicas de recuperação de pastagens degradadas. Já nos graus 3 e 4, é necessário o manejo para a renovação da área.

Qual o passo a passo para recuperá-la?

Se o solo da sua propriedade estiver no grau 1 ou 2, é importante prezar pela recuperação de pastagens. O objetivo é restaurar a produtividade e o vigor da área de pasto. Veja as melhores práticas: 

Restaure a fertilidade do solo

Analise o solo, entenda as principais necessidades da forrageira e faça a adubação adequada. O ideal é aplicar o adubo e o calcário no início do período de chuvas. A melhor técnica é o lanço, sem incorporação.

Semeie plantas de adubação verde

Cordões em nível de adubação verde ajudam a fixar nitrogênio no solo e a melhorar suas condições físicas. As melhores espécies incluem a crotalária, feijão guandú, estilosantes e calopogônio.

Retire plantas invasoras

Eliminar plantas invasoras pode ser importante na recuperação de pastagens degradadas. Afinal, elas competem com as espécies desejáveis e dificultam o reestabelecimento da área. Faça o controle com dessecantes químicos seletivos ou controle cultural.

Faça a rotação de pasto

Ao dividir os pastos, você otimiza seu manejo e rotação. E, como consequência, melhora o aproveitamento do plantel e uniformiza a rebrota.

Aliás, apesar dos gastos, esse modelo de pastejo pode aumentar o volume de animais por hectare.

Descompacte o solo

Quando o solo está compactado e tem pouca infiltração de água, é indispensável fazer sulcos com um bom subsolador. Ao quebrar a estrutura do solo, ele fica mais úmido e favorece o desenvolvimento da forrageira, pois a água se infiltra com mais facilidade.

O Descompactador de Solo com Rolo Faca Vollverini é o único com hastes paralelas de 45 cm e lâminas em ângulos e alturas diferentes. Com ele, você descompacta e faz a aeração da terra de maneira uniforme, para que as plantas cresçam nas melhores condições possíveis.

Então, se você quer acertar na recuperação de pastagens degradadas, garanta um solo mais saudável com retenção de 100% das águas das chuvas! Peça agora o seu orçamento do Vollverini. 

Leia Também

O Vollverini é o primeiro descompactador giratório para agricultura em todo o mundo. Ele permite que a estrutura do solo seja preservada no plantio direto, assegurando a retenção e maior infiltração de água na lavoura por meio dos sulcos desencontrados promovidos pelas hastes curvas.

Após anos de desenvolvimento, os resultados com o Vollverini foram testados e aprovados, não só pela Agross mas pelos clientes que foram beneficiados com essa tecnologia inovadora! Suas 6 hastes paralelas de 45 cm de comprimento são responsáveis por descompactar o solo de baixo para cima.

Quais os principais diferenciais da máquina?

Vamos destacar os 4 principais ganhos com o uso do Vollverini e seus resultados.

Sistema efetivo

Em primeiro lugar queremos ressaltar o trabalho realizado pela máquina através do seu sistema mecânico, promovendo a abertura de sulcos (9/m²) e trincamento do solo (nos entre-sulcos). E além disso, o maior objetivo do Vollverini é manter a estrutura, as bases do solo, para que, quando as chuvas não venham imediatamente depois da passagem da máquina, o trabalho de descompactação não seja comprometido.

Aeração intensa

Outro grande atributo é que a abertura dos sulcos e o trincamento do solo promovem uma intensa aeração (processo que proporciona a melhoria da qualidade do solo). Primeiro, assegurando a liberação das micotoxinas retidas no solo ao longo dos anos devido ao intenso uso de fertilizantes químicos. Ao mesmo tempo, garante a entrada de ar neste solo, o que proporciona a melhora da biota, ou seja, um revigor dos micro-organismos vivos, extremamente importantes para o desenvolvimento das plantas.

Absorção vertical da chuva

Destacamos também que a absorção da água será total durante a queda da chuva devido aos sulcos e trincas em formato vertical. Dessa forma, a água é conduzida para o interior do solo, primeiro: evitando todo e qualquer tipo de erosão; segundo: formando micro reservatórios de água no solo, extremamente importante para os momentos de estresse hídrico, além de estar contribuindo com o processo de descompactação e atração das raízes das plantas devido a umidade mantida nesses locais, proporcionando um melhor desenvolvimento. 

Sistema radicular mais profundo

O quarto e último atributo que enfatizamos é a importância do processo de descompactação equilibrada por sulcos e trincas e manutenção da estrutura do solo, no que tange a facilidade de descida do sistema radicular das plantas. Elas encontrarão um caminho aberto, evitando assim o enovelamento das raízes, ou seja, na impossibilidade de penetração elas apenas circundam, não buscando aqueles micronutrientes que se encontram em camadas mais profundas.

Uma das vantagens percebidas com este processo de formação de um sistema radicular mais profundo, é que quando no final do ciclo vegetativo desta planta, em meio ao solo permanecerão estas raízes, que ao deteriorar-se, manterão ao sulco, muito importante para a melhoria da porosidade do solo, consequentemente continuidade da aeração.

Benefícios de usar o Vollverini

O Vollverini melhora o sistema radicular das plantas e evita erosões, mesmo em terrenos inclinados. Seu uso é ideal para solos compactados por pisoteio de gado (em meio ao plantio de braquiária, gramíneas, cobertura verde e dessecada) e para recuperar pastagens.

  • Ideal para terrenos compactados por pisoteio de gado
  • Mantém a palha em nível superior, garantindo a retenção do solo
  • Assegura a retenção da água na lavoura através dos sulcos desencontrados promovidos pelas hastes curvas
  • Reduz o esforço do trator devido o seu sistema rotativo
  • Evita a erosão do solo
  • Remoção equilibrada do solo, que preserva seu nivelamento e estrutura
  • Possuem pneus de alta flutuação que não danificam o solo enquanto a máquina passa pelo terreno

Características da máquina

Os modelos disponíveis podem variar o tamanho e capacidade de trabalho de acordo com a necessidade do plantio. A largura do plantio do Vollverini pode atender entre 2, 3 ou 4,5 metros, além das variações de 3 metros pró (tandem) e canavieiro. Além disso, também há variação no comprimento da máquina e na  potência requerida.

Faça o download do folheto técnico agora mesmo e compare os modelos para escolher o seu!

Conheça a história de sucesso do Jhonatan

O engenheiro agrônomo Jhonatan Orsolin, de Palmitos, Santa Catarina, testou e comprovou os resultados do Vollverini na sua lavoura. Ele dividiu o terreno em duas partes, onde comparou o trabalho do Vollverini versus um descompactador convencional em linha e os resultados com a máquina Agross foram surpreendentes!

As plantas que cresceram ao lado que o Vollverini trabalhou eram mais altas, robustas e suas raízes eram mais fortes e profundas. 

“Quando entramos no lado em que o Vollverini trabalhou, percebemos que a capilaridade do solo conservada, ajudou muito nos primeiros trinta dias de estiagem. Que foi o que deu toda a diferença. […] Com o Agross, a capilaridade do solo natural fez com que a água subisse e chegasse até as raízes nos primeiros trinta dias, que é a fase mais crítica, em que a planta precisa da água” – Jhonatan Orsolin, Engenheiro Agrônomo.

E aí, gostou da nossa solução em descompactação do solo? Quer tirar suas dúvidas sobre a máquina e saber mais detalhes? Fale agora mesmo com um de nossos especialistas!

21 de fevereiro de 2024

Produtos em Destaque

Kit Plantio Tornitec Agross

Menos trabalho e mais rentabilidade no campo

Vollverini

Descompactador Giratório para Agricultura